My PlayList

sábado, 26 de fevereiro de 2011











...Creio que o belo não é uma substância em si, mas apenas um desenho de sombras, um jogo de claro-escuro produzido pela justaposição de diversas substâncias. Tal como uma pedra fosforescente que emite brilho quando colocada na escuridão e ao ser exposta á luz do dia perde todo o fascínio de jóia preciosa, também o belo perde a sua existência se lhe suprimimos os efeitos da sombra.

Junichiro Tanizaki

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Vivo...!!!


Certa noite, estava solitária e olhava para o céu. Havia ali tantas estrelas…Cheguei mesmo a ter inveja delas, pois não estavam sozinhas, ao contrário, encontravam-se uma pertinho das outras. Foi então que deixei de lado esse sentimento e resolvi juntar-me a elas: não queria passar a noite em tal abandono. Dessa forma, foi inevitável lembrar-me do poema de Bilac: “Ora (direis) ouvir estrelas! Certo / Perdeste o senso! E eu vos direis, no entanto, / Que para ouvi-las muitas vezes desperto/ E abro as janelas, pálido de espanto…”.  (http://www.secrel.com.br/jpoesia/bila06.html).

“Vivo nas estrelas
Porque é lá
Que brilha a minha alma”

                                                                 * Manoel Bandeira*

BelBel Gilberto - CD Momentos ( Samba Da Benção Trilha Sonora Filme comer,rezar e amar)




É melhor ser alegre
Que ser triste
Alegria é a melhor
Coisa que existe
É assim como a luz
No coração...
Mas prá fazer um samba com beleza
É preciso um bocado de tristeza
É preciso um bocado de tristeza
Senão não se faz um samba....Nao...!!

                                    Lindaaaa  musica ...!!


Amigos...!!!
Para Baixar CD Completinho é só clicar o Titulo Acima....


Beijocas

Um Pouco de Comer, Rezar e Amar (Adoroo filme, Amei o Livro)



Aprenda a lidar com a solidão. Aprenda a conhecer a solidão. Acostume-se a ela, pela primeira vez na sua vida. Bem-vinda à experiência humana. Mas nunca mais use o corpo ou as emoções de outra pessoa como um modo de satisfazer seus próprios anseios não realizados.


Galopamos pela vida como artistas de circo, equilibrados em dois cavalos que correm lado a lado a toda velocidade – com um pé sobre o cavalo chamado ‘destino’, e o outro sobre o cavalo chamado ‘livre arbítrio’. E a pergunta que você precisa fazer todos os dias é: qual dos cavalos é qual? Com qual cavalo devo parar de me preocupar, porque ele não esta sob meu controle, e qual deles preciso guiar com esforço concentrado.”




              


Imagine que o universo é uma imensa máquina giratória. Você quer ficar perto do centro da máquina – bem no eixo da roda -, e não nas extremidades, onde os giros são mais violentos, onde você pode se assustar e enlouquecer. O eixo da calma fica no seu coração. É aí que Deus reside dentro de você. Então, pare de procurar respostas no mundo. Simplesmente retorne sempre ao centro, e sempre vai encontrar a paz.” 

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

A sombra do Vento.


A Sombra do Vento é uma narrativa de ritmo eletrizante, escrita em uma prosa ora poética, ora irônica. O enredo mistura gêneros como o romance de aventuras de Alexandre Dumas, a novela gótica de Edgar Allan Poe e os folhetins amorosos de Victor Hugo. Ambientado na Barcelona franquista da primeira metade do século XX, entre os últimos raios de luz do modernismo e as trevas do pós-guerra, o romance de Zafón é uma obra sedutora, comovente e impossível de largar. Além de ser uma grandiosa homenagem ao poder místico dos livros, é um verdadeiro triunfo da arte de contar histórias.



Para baixar esse maravilhoso Livro é só clicar no Titulo  acima...


Beijocas Amigos...!!!

sábado, 5 de fevereiro de 2011

"É também porque sempre fui de brigar muito, meu modo é brigando.
É porque sempre tento chegar pelo meu modo.
É porque ainda não sei ceder.
É porque no fundo eu quero amar o que eu amaria - e não o que é.
É porque ainda não sou eu mesma, e então o castigo é amar um mundo que não é ele.
É também porque eu me ofendo à toa.
É porque talvez eu precise que me digam com brutalidade, pois sou muito teimosa."




                                            Clarice Lispector


    

Costumes



Eu pensei

que pudesse esquecer
certos velhos costumes
Eu pensei
que já nem me lembrasse
de coisas passadas

Eu pensei
que pudesse enganar
a mim mesmo dizendo
que essas coisas da vida em comum
não ficavam marcadas

Não pensei
que me fizessem falta
umas poucas palavras
dessas coisas simples
que dizemos antes de dormir

De manhã
o bom dia na cama
a conversa informal
o beijo depois o café
o cigarro e o jornal

Os costumes me falam de coisas
de fatos antigos
não me esqueço das tardes alegres
com nossos amigos

Um final de programa
fim de madrugada
o aconchego na cama
a luz apagada
essas coisas
só mesmo com o tempo
se pode esquecer

E então eu me vejo sozinha como estou agora
e respiro toda a liberdade
que alguém pode ter

De repente ser livre
até me assusta
me aceitar sem você
certas vezes me custa
como posso esquecer dos costumes

           se nem mesmo esqueci de .."você "


                                  (...Linda Musica Do Roberto interpretada pela Paula Fernandes ...)



PS:
É o que sinto..